fund2-2.jpg

Anos Finais do Ensino Fundamental

De 6º ao 8º ano

Objetivos gerais

“Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo; se não é possível mudá-lo sem um certo sonho ou projeto de mundo, devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas falar de minha utopia, mas participar de práticas com ela coerentes”. (Paulo Freire)

 

Os objetivos propostos pelos Parâmetros Curriculares para o Ensino Fundamental de 6º ao 8º ano são instigantes por desafiarem educadores e estudantes a uma relação de corresponsabilidade para se obter, na escola, o prazer de aprender e o sentido do saber.  

Esse segmento do curso Fundamental considera o compromisso e o desafio como condição necessária para atingir os objetivos descritos na sequência, junto aos estudantes: utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimento; questionar a realidade, formular e resolver problemas com criatividade, intuição e análise crítica; compreender a cidadania como participação social e política, adotando no dia a dia atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças; posicionar-se de forma responsável e construtiva utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos; conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como os aspectos socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais; perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente, contribuindo ativamente para a melhoria do meio em que vive; cuidar do próprio corpo e adotar  hábitos saudáveis em relação à sua saúde e à saúde coletiva. 

Para atender a estes objetivos, não existe mágica nem respostas prontas, mas o compromisso coletivo, a intervenção e o acompanhamento diário dos educadores, possibilitando encontros humanos que desenvolvam talentos e promovam a autoconfiança e autonomia dos educandos.

O Ensino Fundamental do 6º ao 8º ano tem estrutural importância na formação dos estudantes em função das características específicas dessa faixa etária, que precisam estar claras para os adultos educadores (professores e família).

Os jovens nessa faixa etária vivem um intenso período de transição, em que não são mais crianças nem adultos plenos; possuem uma autonomia relativa, com vivências de situações e circunstâncias que se alternam entre a autonomia e a heteronomia; em que não são nem heterônomos (dirigidos a partir de fora) como as crianças, nem autônomos (dirigidos a partir de dentro, por si mesmos) como os adultos.

Passam por transformações biopsicossociais que os levam a questionar as posições familiares e escolares que haviam experimentado até então sem oposições; esse fato não pode ser visto como mera contestação ou indisciplina, mas como necessidade de redefinição de papéis e limites, como algo natural, positivo, e não negativo. 

De forma mais pontual para os 6º anos, acontece também uma alteração na estrutura escolar, vivenciada até então no Fundamental até o 5º ano, que é muito diferente do que haviam  experimentado, caracterizada pela entrada dos professores especialistas que ministrarão as 10 disciplinas da série/ano; pela determinação de tempo/aula para cada disciplina e a necessidade de organizar o tempo para as tarefas, trabalhos e estudo de acordo com a distribuição das aulas e exigências de cada professor.

É nessa condição peculiar do desenvolvimento dos adolescentes que a escola assume um importante papel, pois atua no ambiente social coletivo, promovendo uma ação solidária, mediadora e diretiva de forma democrática. 

Foco do segmento

O foco do segmento atua como “bússola”, que direciona para a prioridade no planejamento e no movimento de aula das diferentes disciplinas de forma a mobilizar os estudantes para:

  • Desenvolver a competência leitora e escritora de textos verbais e não verbais em todas as áreas do conhecimento.

  • Aplicar a metodologia do trabalho científico para propor e resolver problemas.

  • Desenvolver a organização e a autonomia durante o processo ensino-aprendizagem. 

Proposta pedagógica

As atividades pedagógicas do Ensino Fundamental do 6º ao 8º ano têm como base a concepção humanista exposta no Projeto Político Pedagógico e por autores, como Jean Piaget, Lev Semenovitch Vygotsky, D. Ausubel, Henri Wallon e Antoni Zabala. Apoia-se também nas proposições da UNESCO para a Educação e nos quatro pilares descritos por Jaques Delors, que são referência e suporte teórico para a ação dos educadores ao indicarem como ocorre a construção do conhecimento de forma afetiva e significativa.

Princípios educacionais e filosóficos que orientam a ação dos educadores: 

  • A Escola tem como função social a transmissão do saber histórico acumulado, a ampliação da cultura geral; o desenvolvimento de conhecimentos práticos, contextualizados, que respondam às necessidades da vida contemporânea e correspondam a visão globalizada do mundo.      

 

Só conseguiremos atingir esse objetivo com uma escola viva, que vai além da reprodução do conhecimento, que reflete sobre as dificuldades dos estudantes, busca soluções e desenvolve competências.   

incentivar a motivação, o gosto pelo conhecimento, o desenvolvimento de competências e habilidades, estimular a auto regulação com o preparo para a autonomia e a cidadania para o entendimento sobre o ofício de estudante devem ser as marcas do ensino nesse segmento. 

  • A necessidade de superar o enfoque estanque dos conteúdos e apresentá-los de forma integrada e sistêmica, desvelando a realidade complexa e multidimensional dos fenômenos.

  • A compreensão de concepções sobre como ocorre o processo de aprendizagem na aquisição do conhecimento. Hoje, o conhecimento é visto sob uma nova roupagem, não é mais entendido como um processo hierarquicamente organizado. Ele é concebido como uma ampla rede, formada por múltiplos nós que possibilitam se estabelecerem relações a partir de princípios associativos de diferentes ordens: por semelhança, por contraste, por dedução, por reação, entre muitos outros. David Ausubel (Ausubel, D.Educational Psychology: a Cognitive View, 1968) se refere a essa “rede” quando fala na formação de ancoragens cognitivas.  A formação de ancoragens são ideias que caracterizam o conceito de aprendizagem significativa (com significado, compreensão, sentido, capacidade de transferência); essa concepção lançada por David Ausubel se contrapõe à aprendizagem mecânica, memorística, que não conduz à real compreensão do conceito.   Segundo Ausubel, a formação das ancoragens cognitivas são as informações significativas, percebidas e incorporadas pelos indivíduos durante suas vivências; explica ainda que para ocorrer a formação e agregação de novas informações nas cadeias de ancoragens, o novo conhecimento deve fazer sentido e os conteúdos devem ser apresentados de forma a facilitar a construção de significados; devem propiciar a conexão entre o que o estudante já conhece e o que está lhe sendo apresentado. A formação das ancoragens pressupõe formas de apresentação do conteúdo que favoreçam as relações hierárquicas entre os conceitos, e que esta ação esteja acompanhada e envolvida de sensibilidade e afetividade. A inter-relação e o cruzamento das diferentes cadeias de informação se constituem na capacidade de raciocínio e de resolução de problemas que as pessoas possuem. 

Dessa forma, compete à escola e, em especial, aos docentes, criar condições propícias ao desenvolvimento da rede cognitiva dos educandos.

  • Frente às diferentes tensões econômicas, culturais e espirituais, o Relatório Delors enfatiza: aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser. 

  • Intrinsecamente vinculados aos pilares do conhecimento ou da educação estão trabalhos como os de Antoni Zabala e César Coll, que, ao ampliarem as aprendizagens para além dos conteúdos conceituais e abrangerem as dimensões procedimentais e atitudinais, ressignificam a compreensão dos educadores acerca dos conteúdos, introduzindo mudanças nas práticas pedagógicas que favorecem a aprendizagem dos estudantes. Essa organização dos conteúdos é utilizada na proposta pedagógica de forma objetiva e pontual, visando à formação integral de nossos estudantes.

  • No século XXI, saber trabalhar em equipe é fundamental para o desempenho coletivo e cabe à escola promover práticas que estimulem essa condição.  Na sala de aula e nos projetos, o trabalho é pautado em conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais elencados previamente no planejamento, de forma a garantir uma sólida formação básica e atender à formação intelectual, cultural e ética do educando. 

  • Finalmente, a integração escola/família é determinante para o sucesso do desempenho educacional do estudante.

 

Para garantir a efetivação de tais princípios filosóficos e educacionais e apropriação de referencial teórico que subsidie a ação, o educador do Colégio Magister participa de reuniões de formação continuada (formação em serviço) para alinhamento das ações pedagógicas e planejamento de aulas que mobilizem os estudantes para as atividades intelectuais, considerando o específico de sua disciplina e os eixos temáticos propostos para a série/ano.

Segundo Vygotsky, a escola, como importante meio social, é a instituição que organiza, a partir do universo de informações que existem, os saberes que farão a diferença na formação dos estudantes. O aprendizado depende fundamentalmente das influências ativas do meio social, sendo a qualidade da aprendizagem e das interações, fator estruturante para o maior desenvolvimento das funções mentais superiores do indivíduo. 

Também em Vygotsky encontramos o papel desafiador do ensino que precisa se adiantar ao desenvolvimento. O ensino seria desnecessário se pudesse utilizar somente o que já está maduro no desenvolvimento do sujeito. Significa dizer que o ensino deve promover o surgimento do novo. Para o autor a aprendizagem é mais frutífera quando se realiza nos limites de um período determinado pela zona de desenvolvimento imediato/iminente, aquela em que o estudante ainda não consegue realizar de forma autônoma, mas que a atinge diante da colaboração com outra pessoa. As práticas educativas que atuam na Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP) desencadeiam o desenvolvimento de funções mentais superiores e giram em torno do eixo das novas formações essenciais da idade escolar e principalmente neste segmento de ensino: tomada de consciência (atenção) e arbitrariedade (volição). 

Com o olhar no foco do segmento e visando uma formação mais consistente, a Matriz Curricular privilegia a vivência da metodologia científica e o uso dos laboratórios de Química, Física e Biologia; o investimento nas competências leitora e escritora e o desenvolvimento de posturas éticas, autônomas e empreendedoras dos jovens.

 

A proposta pedagógica se concretiza e ganha vida através do movimento de aula e dos projetos descritos na sequência.

 

Tutoria

A Tutoria está ligada a uma ação orientadora exercida por professores especialistas do segmento, chamado de professor-tutor.  Esse professor é responsável em apoiar e acompanhar as necessidades acadêmicas e relações interpessoais dos estudantes do grupo/série, que lhe foi confiado. Nessa ação, o professor tutor levanta o perfil da sala com o apoio dos colegas, se debruça no histórico acadêmico e familiar de cada estudante para elaboração do planejamento e plano de ação individual e coletivo na busca de promover o desenvolvimento integral de seus tutorandos.

As várias definições de Tutoria ressaltam que esta é uma função inerente à atividade docente, e é uma maneira eficaz de intervir no processo educacional. É de responsabilidade de toda a comunidade escolar, embora seja atribuição dos professores encarregados diretamente por essa ação, que une esforços de toda a equipe docente para promover o desenvolvimento de atividades que sirvam como elo entre o processo educativo e os alunos, a escola e as famílias.

Tutoria é, portanto, um momento especialmente privilegiado para desenvolver sistematicamente aspectos transversais do currículo, especialmente a resolução pacífica de conflitos escolares.

A Tutoria tem alguns objetivos gerais:

  • Favorecer o desempenho acadêmico dos alunos por meio de ações personalizadas ou coletivas, facilitando a superação das dificuldades de aprendizagem.

  • Contribuir para sua formação integral.

  • Orientar para a vida adulta e profissional.

  • Potencializar a integração social no ambiente da comunidade escolar.

  • Fomentar a autonomia pessoal ou estimular o amadurecimento do aluno.

  • Coordenar a atividade de orientação tanto para o aluno quanto para o grupo da sala.

A Tutoria permite identificar dificuldades acadêmicas dos alunos e lhes dar atenção, seja por meio de atenção direta do tutor ou por meio de atividades complementares, como recuperações paralelas, monitorias, grupos de estudo, supervisão de estudo e assim por diante.

Através do apoio do tutor, busca desenvolver nas estudantes atitudes favoráveis à disciplina do trabalho e à melhoria permanente. O tutor, devido à relação estabelecida com os alunos e com a classe, pode auxiliá-los na formação de valores e atitudes que lhes permitam desenvolver-se de maneira solidária e ética, atuando preventivamente no combate ao Bullying e ao Cyberbullying.

A orientação para a vida adulta e profissional consiste em ações para favorecer que os alunos aprendam a fazer suas escolhas e se preparem para vida acadêmica e profissional. O tutor deve atentar para as habilidades apresentadas pelos alunos, a fim de orientá-los sobre as possibilidades de estudos e profissões. 

Portanto, esse projeto no Fundamental II pressupõe que cada professor-tutor, embora especialista em sua área do saber, assuma a disciplina de Metodologia e Autonomia e as responsabilidades importantes na condução da turma sob seus cuidados.

O tutor organiza sua ação seguindo o eixo temático do ano/série em que atua e nos quatro pilares da disciplina de Metodologia e Autonomia, que são:

  • Organização e Ofício de estudante.

  • Formação de valores.

  • Cidadania Digital.

  • Empreendedorismo e formação para uma vida adulta ativa.

As famílias também são atendidas pelo professor-tutor quando este deseja entender o contexto mais amplo do estudante ou oferecer informações e comunicar encaminhamentos, para que escola e famílias possam atuar conjuntamente na formação dos jovens. Todo esse conjunto de observações e intervenções é partilhado com o grupo de professores da série em encontros regulares, de forma que todos possam se beneficiar de uma visão mais global do desenvolvimento do estudante, assim como das dificuldades que possam estar intervindo no seu desempenho acadêmico.

Esse trabalho é acompanhado de perto pela Coordenação Pedagógica, que, por sua vez, apoia os professores, tanto no planejamento das atividades coletivas, como nos atendimentos aos estudantes ou famílias que precisam de um apoio especial ou que contam com a ajuda de outros profissionais ou terapeutas externos à instituição.    

Todo esse trabalho é realizado tanto coletivamente, em aulas destinadas a esse fim, como individualmente, em encontros previamente agendados.

Esse projeto é um importante apoio para a aprendizagem e construção da identidade dos estudantes. 

O Professor Tutor tem também a responsabilidade de acompanhar e orientar os procedimentos e atitudes dos estudantes em todos os projetos da escola em que sua turma está inserida.

Com essa iniciativa a escola organiza efetivamente estratégias e encaminhamentos para que todos os estudantes aprendam.

 

Cidadania Digital e o Uso das tecnologias no cotidiano escolar

O uso contextualizado da tecnologia ajuda os alunos a aprender melhor e, de modo geral, permite que as escolas funcionem melhor. Acreditamos que é necessário garantir que todos os alunos aprendam, explorem e tenham uma experiência positiva na Internet.

Nossas pegadas digitais não são como as pegadas na praia, lavadas pela próxima onda ou a maré crescente. Em vez disso, são como pegadas no concreto molhado que se tornam eternas ao secar. Elas são um lembrete permanente de nossas ações, inativações e interações. Navegar e sobreviver neste mundo digital dinâmico requer algumas regras e diretrizes básicas, chamamos esses princípios da Cidadania Digital. 

Como educadores, sabemos o valor da boa cidadania na sala de aula e na comunidade escolar. Atualmente as pessoas passam muito tempo on-line, cabe a nós, instituição e à família ensinar nossos alunos a se protegerem na Web, para que se tornem cidadãos digitais responsáveis, com pensamento crítico ativo aprendendo a proteger suas informações e bons hábitos de privacidade.

A Cidadania Digital tem benefícios e responsabilidades similares aos que aprendemos como cidadãos sociais. Um bom cidadão digital experimentará as vantagens do mundo virtual, mas como um cidadão de uma nação, deverá desenvolver posturas adequadas a esse ambiente, utilizar-se de linguagem adequada, julgando o que for apropriado com ética, respeitando os valores morais, opiniões alheias e suas responsabilidades sociais.

Os princípios da Cidadania Digital são os mesmos princípios que gostaríamos que nossos alunos tivessem às suas interações diárias no mundo real. Nos mundos virtual e real, esperamos que nossos alunos sejam respeitosos e protetores de si mesmos, seus pares e outros com os quais eles interagem e com o meio ambiente. Ao implementar esses princípios no mundo digital, podemos traçar paralelos ao nosso mundo físico.

Com base nas políticas de segurança e privacidade da internet e nas leis digitais vigentes em nosso país o professor tutor, com o apoio do Departamento de Tecnologia Educacional em parceria com a Geekie, tem disponível para suas aulas de tutoria material voltado ao ensino da Cidadania Digital, com estratégias pautadas nas metodologias ativas visando a autonomia e protagonismo dos alunos. Construindo diariamente consensos de ética e valores morais para com o uso adequado e responsável das tecnologias.

Uso das tecnologias no cotidiano escolar

Cada vez mais as TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação) ocupam papel essencial nas salas de aula contemporâneas. A proposta de um Ensino Híbrido pretende unir os benefícios da educação tradicional com a educação online, mostrando-se uma alternativa mais sustentável e viável de personalizar o ensino. 

O contexto da pandemia mundial  de 2020, provocou a suspensão das aulas presenciais em escolas do mundo todo e acelerou ainda mais a inserção de objetos educacionais tecnológicos  nas aulas, importante legado do Ensino Remoto. Muito embora seu uso tenha sido intensificado, o Magister há muito investe na busca de novas soluções e metodologias para a sala de  aula, na aquisição de dispositivos e na formação dos docentes.  

Com o ensino remoto, mesmo acreditando que a experiência presencial na Educação Básica é essencial para a formação integral da pessoa, jovens e adultos aprenderam muitas novas possibilidades de interações virtuais e que a aprendizagem pode acontecer em tempos e espaços diferentes. Um bom uso das tecnologias em sala de aula pressupõe  situações de aprendizagem  com interações mais qualitativas para as aprendizagens escolares. 

Todas  as salas de aula contam com recursos tecnológicos e projeção para que os professores possam proporcionar, juntamente com o uso dos aplicativos Google para Educação, uma experiência de aprendizagem ativa e significativa aos alunos. Tais aplicativos favorecem o compartilhamento de ideias, planilhas e documentos potencializando, assim, as atividades pedagógicas. Cada aluno recebeu um login e senha que dá acesso a todos os aplicativos.

O formato "on-line" apoia o estudante e permite que ele possa retroceder ou avançar de acordo com sua velocidade de compreensão. Nesta perspectiva, o tempo em sala de aula não é espaço para exclusivamente transmissão de informação por parte do professor e para que o estudante assimile conteúdo “bruto”, mas aponta para atividades em que o aluno participe de forma efetiva e significativa.

Pensando nisso, os estudantes de 6º ao 8º ano,  que já usavam o material didático digital da  Geekie em um componente curricular por série, em 2021 passarão a utilizá-la em todas as áreas do conhecimento. Altamente referendado para o desenvolvimento de habilidades anunciadas na BNCC e composto por objetos de conhecimentos similares aos dos livros didáticos, é organizado de forma a desenvolver as competências do séc. XXI por meio de uma formação ativa dos estudantes.

Além disso, facilita a organização dos estudantes por oferecer mais recursos que os livros didáticos permite o compartilhamento de materiais pelos professores, anotações pessoais dos alunos e discute temas relacionados à segurança e cidadania digitais, além de possibilitar que pais e educadores acompanhem em tempo real o percurso dos jovens observando os níveis de proficiência no componente curricular.    

 

Atualmente utilizamos  plataformas que permitem aos estudantes  interação em tempo real, através de perguntas e considerações e aos professores monitoramento das postagens realizadas e da qualidade da produção,  possibilitando apoio personalizado e uma experiência de aprendizagem ativa e significativa aos estudantes.

Para acesso ao material em sala de aula, os estudantes devem ter seu próprio equipamento, compatível com a Plataforma Geekie One (Chromebook Samsung 3 ou superior, com 11.6” de tela, 4GB de memória RAM, 16GB de armazenamento interno e capacidade de rodar aplicativos da Play Store). 

Vale ressaltar que o uso de suporte tecnológico no cotidiano escolar, por parte dos estudantes, deve ser regulado por ações com foco nas aprendizagens; por conta disso, desde o início do ano letivo, são organizadas ações reflexivas que objetivam tornar o uso de suportes e ambientes virtuais mediante o compromisso ético em relação às regras e normas que pautam o ato de aprender na escola.

 

Proposição para as Salas-Ambiente 

A proposta de trabalho com Salas-Ambiente implantado em 2015, opção didática para atender à necessidade imperativa de movimento dos jovens, possibilitando seu deslocamento entre as salas durante o período das atividades escolares, e ao mesmo tempo,  proporcionando aos educadores a definição de um espaço com materiais e recursos didáticos específicos das disciplinas para facilitar o processo ensino-aprendizagem, fica suspenso, enquanto estivermos sob orientação dos protocolos de biossegurança e conceito de bolhas, para garantir a segurança de todos.

Neste novo cenário, gestão e professores, para atender às necessidades de movimento dos jovens, de acordo com as demandas do planejamento, poderão propor outros espaços além da sala de aula considerando as orientações de distanciamento social. Considerando estes aspectos, os estudantes podem desempenhar um papel ativo na sugestão dos espaços de trabalho. 

Magilendo

Com o objetivo de ampliar a competência leitora e escritora nas diversas áreas do conhecimento – um dos focos do Ensino Fundamental do 6º ao 8º ano – os estudantes são instruídos a reservar 15 minutos diários para leitura durante as aulas. Nesse momento, o grupo de educadores e educandos interrompem todas as suas atividades e se dedicam a algum tipo de leitura. 

O projeto parte do pressuposto de que a leitura amplia o universo cultural e enriquece o vocabulário, além de fornecer novos elementos para o “pensar”, para estimular o hábito da leitura e despertar o interesse dos estudantes. Além das opções sugeridas pelos professores, é sugerido que os estudantes tragam de suas casas leituras de seu interesse, como cadernos de jornal, gibis e revistas, desde que os conteúdos não comprometam a formação. De acordo com a Prof.ª Dr.ª em Educação pela Universidade de São Paulo, USP, Silvia de Mattos Gasparian Colello, a leitura imposta pode limitar a “Grande Festa da Aventura da Leitura”.

Todo material utilizado durante o Projeto tem se tornado fonte de informação, agregando novos conhecimentos, influenciando diretamente na escrita por oferecer uma variedade linguística, além de conduzi-los a uma leitura prazerosa e estimulante.

Nesse Projeto, todos os professores acompanham e estimulam o envolvimento dos estudantes com a leitura, com um trabalho mais pontual dos Professores Tutores, de Arte e Língua Portuguesa. 

Ao final de cada período, os livros concluídos serão divulgados na sala de aula pelo respectivo leitor. Os comentários e ilustração do livro, ficarão expostos no mural dos livros lidos, com o objetivo de estimular a leitura e o intercâmbio dos exemplares.

 

Projeto Social – ação empreendedora

Esse projeto está vinculado à disciplina de Metodologia e Autonomia, tem como um dos pilares o empreendedorismo e está vinculado às turmas dos 8º anos. Eles têm o desafio proposto de administrar uma das barracas da Festa Junina como uma empresa que precisa ter lucro.

Eles são orientados a projetar e vivenciar todas as etapas de criação de uma empresa, desde a montagem, até a definição do trabalho das equipes de planejamento, marketing e propaganda, financeira e logística  e vendas.

O lucro dessa “ empresa”  é destinado aos trabalhos sociais desenvolvidos pela escola.  

Talentos Literários

Esse projeto acontece durante o ano nas aulas de Língua Portuguesa, utilizando a leitura e a escrita como práticas vivas e vitais, possibilitando repensar o mundo e reorganizar o próprio pensamento por meio do ler e do escrever. Após estimular a escrita, leitura, interpretação de textos e conhecimento de diversos gêneros textuais, os estudantes trabalham temas atuais e produzem registros dos assuntos abordados.

Para a construção de textos com coesão e coerência, é necessário desenvolver nos estudantes a consciência de que a escrita precisa ser vista como um processo. A pesquisadora Lilian Maria Ghiuro Passarelli, doutora em Língua Portuguesa pela PUC-SP e pós-doutora pela Unicamp na área de Linguística, diz que “o grande segredo entre o escritor que constrói o texto adequado e o que não constrói é justamente o número de revisões que faz e o planejamento que antecede o texto”. 

A intenção é despertar no estudante o gosto pela autoria, e no final do ano, a escola organiza o Concurso Literário. Os alunos com os melhores textos recebem o certificado de premiação e um exemplar do livro editado com o destaque das produções realizadas ao longo do ano pelos estudantes.

 

Atividades Educativas*
  • Estudos do meio, integrados aos projetos interdisciplinares de cada ano.

  • Mostra Cultural sobre temas propostos pela UNESCO.

  • Eventos cívicos e comemorativos – Dia da Independência do Brasil, Dia da Bandeira, Festa Junina, Mostra Cultural, Bazar de Natal, etc.

  • Visitas a exposições e eventos externos.

  • Execução do Hino Nacional. 

  • Concursos, dramatizações, paródias, seminários, etc.

  • Aulas de Recuperação Paralela de Português e Matemática.

  • Concurso Literário.

  • Inglês com abordagem comunicativa.

  • Aulas de Teatro.

  • Festival de Novos Talentos.

  • Olimpíadas de Astronomia, História e Matemática.

  • Olimpíada de Esportes.

* Algumas dessas atividades podem ser suspensas devido aos protocolos de biossegurança enquanto durar a pandemia.

 

Os estudantes contam com vários recursos para as aulas e atividades além da sala de aula, como:

  • Chromebooks individuais como recurso tecnológico para desenhar, desenvolver, publicar, apresentar produtos como páginas da web, animações, histórias em quadrinhos e resolver problemas. 

  • Salas de aula com projeção , ferramenta que possibilita aulas mais dinâmicas e interativas. 

  • Um ateliê de arte* com professor especialista, que desenvolve a linguagem artística e o gosto pelas artes.

  • Salas-Ambiente* com materiais e recursos didáticos específicos das disciplinas da matriz curricular.

  • Sala Ambiente* para as aulas de Linguagem Corporal e Cênica.

  • Laboratórios* de Biologia, Química e Física, onde é possível aprofundar os conteúdos e vivenciar a metodologia científica.

  • Biblioteca informatizada com amplo espaço de leitura e pesquisa. Possui acervo atualizado e espaços para aulas de leitura.

  • Sala Multidisciplinar, que visa desenvolver os diversos trabalhos e dinâmicas em grupo. 

  • 2 Quadras Poliesportivas cobertas.

  • Auditório para reuniões, debates e encontros culturais.

  • Espaços no pátio especialmente projetados para promover interação e integração dos estudantes.

  • Estúdio acústico para gravações e filmagens. 

*Espaços que terão seu uso suspenso temporariamente devido aos protocolos de biossegurança. 

 

Período da tarde na Sabará

Pensando no acolhimento aos estudantes de Anos Finais do Ensino Fundamental, o Colégio Magister oferece duas opções de atendimento àqueles que permanecerão na escola após o término das aulas do período regular.

Esses serviços são oferecidos das 14h às 18 horas.

Os estudantes que precisarem após o período de aulas regulares, podem almoçar no restaurante da Sabor A+ (almoço elaborado por nutricionistas e adequado às necessidades dos jovens) ou podem utilizar a estrutura do refeitório que oferece geladeiras e micro-ondas aos estudantes que optam por trazerem de casa sua própria alimentação.

Em ambos os serviços dispomos de equipe especializada na faixa etária e que acompanham os estudantes até às 18 horas.

Grupo de Estudos

É um serviço gratuito oferecido aos estudantes que necessitarem  permanecer após o término das aulas do período regular na escola. Os jovens poderão utilizar seus chromebooks para realização de pesquisas, estudos para as avaliações e realização de lição de casa sob os cuidados de monitores universitários de diferentes áreas do conhecimento .Para participar do Grupo de Estudos é necessário realizar inscrição junto à secretaria.

Recuperação Paralela

É  destinada a colocar o aluno no ritmo de aprendizagem de sua classe mediante o diagnóstico e indicação das professoras de Matemática e Língua Portuguesa. O foco da recuperação de Língua Portuguesa é o desenvolvimento da competência leitora e escritora, e de Matemática no desenvolvimento do raciocínio lógico, a partir dos conteúdos propostos no ano/série. 

 

Escola Ampliada

É um produto oferecido como parte integral da formação do aluno, favorecendo o desenvolvimento físico, emocional, social e cognitivo, com objetivos específicos e monitorado por educadores que são orientados pela Coordenação. 

 

Ao contratar a Escola Ampliada o estudante contará com a Supervisão de Estudos organizada por educadores e ainda poderá compor sua grade de horário com diversas atividades extracurriculares, à sua escolha.

A grande oportunidade desse projeto é de estimular o engajamento de lideranças positivas no apoio e troca de saberes coletivo e a possibilidade de atuar mediante as escolhas e potencialidades de cada estudante. 

 

Os pais têm diversas opções para contratação, conforme tabela apresentada na sequência.

Supervisão de Estudos

A Supervisão de Estudos é um serviço pedagógico que compõe a Escola Ampliada que se estende para o período pós-aula. Com um plano de ação personalizado e monitorado por educadores, orientados pela Coordenação, que realizam o acompanhamento das tarefas, trabalhos, pesquisas, com apoio na organização da agenda e todas as responsabilidades do processo ensino-aprendizagem. 

Nesse projeto, o Colégio se coloca como parceiro, oferecendo às famílias tranquilidade ao saberem que seus filhos serão atendidos em suas necessidades acadêmicas   com tempo para estudar, tirar dúvidas, fazer as lições de casa e realizar as pesquisas. Após a execução das atividades escolares, os estudantes são estimulados a participar de jogos pedagógicos, de leituras, atividades de culinária, a assistir e analisar filmes, vivenciar dinâmicas que propõem a reflexão de valores e outras atividades propostas pelo Colégio, sempre com foco formativo. 

Os educadores da escola responsáveis em acompanhar os estudantes nesse projeto, ao ajudá-los, registram suas dificuldades que são relatadas aos professores das disciplinas, possibilitando uma intervenção mais pontual dos educadores.  Esse projeto propõe um plano de ação individual,  que ajuda o estudante  a montar sua agenda a partir da demanda acadêmica e da escolha de atividades extracurriculares e a gerir seu tempo com escolhas de seu interesse de  forma saudável e produtiva. Participam de atividades criativas que ampliam o que vivenciam no curso regular. Por outro lado, possibilita que os familiares usufruam o tempo disponível em família, sem a obrigatoriedade de garantir a realização das tarefas.

Projeto Ação Estudantil *

O Projeto Ação Estudantil, parte integrante dos serviços da Escola Ampliada, tem a intenção de favorecer o desenvolvimento do espírito empreendedor no estudante.

Este projeto está vinculado à proposta pedagógica do Colégio e acontece com estudantes do 8º, que têm a oportunidade de atuar em salas de aula do período contrário ao que estudam, sob orientação da Coordenação Pedagógica e do professor da sala ou disciplina em que optou por fazer o estágio, oportunizando assim a vivência dos quatro pilares da educação moderna:

  • Aprender a aprender;

  • Aprender a fazer;

  • Aprender a conviver;

  • Aprender a ser.

 

O objetivo desse projeto é oferecer espaços e situações propiciadoras à participação criativa, construtiva e solidária; oportunizar a experiência de sair do papel de estudante para que, inserido em uma situação concreta de trabalho, possa ampliar suas fontes de aprendizado, seus referenciais de comparação e solução de problemas reais; auxiliar o desenvolvimento de outros, contribuir com ideias e mudanças e valorizar a cooperação coletiva.

A  participação acontece em horário extracurricular, previamente definido com a Coordenação Pedagógica de forma a não interferir no horário de estudos e desempenho escolar.

No final do ano, os estudantes recebem um diploma e um histórico anexo explicitando as habilidades e competências desenvolvidas. A intenção é que esse documento seja usado como um primeiro currículo.

* O Projeto teve sua ação suspensa temporariamente devido aos protocolos de biossegurança.

Projeto “Eu Cientista”

O projeto também é parte integrante da Escola Ampliada e propõe um encontro semanal, no período pós aula, para os estudantes interessados em aprofundar conhecimentos na área de Ciências Naturais e vivenciar a metodologia científica.

As reuniões acontecem no Laboratório, onde problemas (perguntas) trazidos pelos jovens, estimulam a investigação através de práticas e procedimentos na busca de respostas com base nos conhecimentos das Ciências da Natureza.

A intenção é a de estimular jovens a uma participação mais ativa com relação à Ciência e sua metodologia, bem como refletir sobre a natureza da Ciência e suas implicações sociais.

 

Matriz Curricular do 6º ao 8º ano

Para acessar Conteúdos por Série e Avaliação, por favor clique a baixo:

Instituto Inovar de Educação Internacional

Avenida Engenheiro Alberto de Zagottis, 1301

Jardim Marajoara - 04675-085